terça-feira, 28 de setembro de 2010

PRESBÍTEROS: PASTORES OU APENAS ADMINISTRADORES


Costumamos dizer que a Igreja Presbiteriana é a igreja que possui a melhor teologia. Eu sou parceiro desta idéia. É claro que isto não é uma regra, pois existem algumas (poucas) exceções. Mas, os mesmos que dizem isso, ou seja, nós presbiterianos e alguns “enamorados” da nossa igreja que não tem a devida coragem de sair de suas denominações, ou ainda pensam que podem de alguma forma mudar o pensamento delas, nós e esses desavisados, muitas vezes dizemos algo, mas, na prática não vivemos a tão bela teologia presbiteriana, ou, melhor dizendo, reformada - Se dissermos presbiteriana vão nos perguntar: qual?
            Alguns pontos que conhecemos, estudamos e defendemos, quando vistos na prática não são bem aplicados da mesma forma. Um destes pontos sem dúvida é o ofício de Presbítero.  
            Segundo as Santas Escrituras, todo pastor é um presbítero e todo presbítero é um pastor. Esta é a origem do nome de nossa tão amada igreja: "Igreja Presbiteriana", deriva seu nome da forma de governo pelo qual é administrada, ou melhor, pastoreada por um conselho de presbíteros. O trabalho dos presbíteros é em sua essência: cuidar pastoralmente do rebanho de Deus.
John Sittema, no livro “coração de pastor” diz que: "De acordo com as Escrituras, os presbíteros são tão pastores da Igreja quanto qualquer pastor que tenha recebido treinamento e seja pago para exercer essa função. Os presbíteros e o povo de Deus precisam entender isso e a igreja deve moldar sua vida e seu ministério de acordo com essa visão"
Mas, estaria sendo assim a forma de escolha (eleição) dos nossos presbíteros? Ou por olharmos para o ofício de presbítero como sendo uma função meramente administrativa, elegemos os nossos oficiais olhando apenas para as aptidões, influência familiar, carisma pessoal, representante de um grupo, etc, em detrimento das qualificações espirituais de 1 Timóteo 3 e Tito 1. A igreja infelizmente, olha para seu conselho apenas como administradores de uma congregação.
A Bíblia diz que os presbíteros foram chamados para pastorear o rebanho - Pastorear é educar, uma função que envolve cuidado, uma função que nasce de um profundo amor pelo bem-estar do rebanho. O ato de pastorear vem do coração.
1 Timóteo 3.1-7 e Tito 1.5-9: apresentam as qualificações espirituais de um homem para o exercício do presbiterato. Os componentes dessa qualificação dividem-se em três grupos: moralidade sexual, liderança familiar aprovada e nobreza de atitude e conduta.
Jonh Sittema afirma que os propósitos divinos para os presbíteros são: 1) Defender o rebanho - Atos 20.28-31. 2) Ir à busca das ovelhas perdidas - Mateus 18.12-14. 3) Buscar a restauração de pessoas - João 21.15-17. 4) Equipar ou treinar pessoas para o ministério - Efésios 4.11-12. 5) Edificar a Igreja pela Palavra - Efésios 4.13. 6) Vida de Santidade - Hebreus 12.14.
A Igreja precisa considerar estes princípios quando da eleição de seus oficiais e o decorrer de sua caminhada a frente da igreja. E também é necessário que a igreja tenha reverência e respeito à pessoa e o trabalho do presbítero: Que tenham amor e consideração, por causa do trabalho que realizam (1 Ts 5.13).

Um comentário:

O Oraculo disse...

UM novo título.... "PRESBÍTEROS: Pastores ou apenas administradores, ou as vezes nem isso!!!".
Esse seu texto eu vou comentar com calma, em outra oportunidade... tenho que frear minha lingua.
Um grande abraço!!!
Allan